Infraestruturas críticas (III)

No Público de hoje (negritos meus):

"Quinze milhões de europeus ficaram sem electricidade durante duas horas no dia 4 de Novembro de 2006 devido a um "erro humano" da empresa alemã E.ON, agravado pela falta de investimentos na exploração e fiabilidade das redes energéticas. Este veredicto foi ontem publicado pela UCTE, a associação europeia de 29 operadores de redes de 24 países europeus, que é presidida pelo ex-secretário de Estado português da Energia José Penedos (actual presidente da Rede Eléctrica Nacional).
Dois meses de investigações confirmaram a suspeita de que o problema teve a sua origem numa decisão do operador de distribuição alemão E.ON de desligar uma linha de alta tensão no Norte do país para permitir a passagem de um navio num canal. Esta medida desequilibrou as redes vizinhas, provocando uma sobrecarga nalgumas e um défice de potência noutros. Em reacção a este desequilíbrio, os mecanismos automáticos de reequilíbrio das redes interromperam o aprovisionamento da electricidade na zona oeste, levando a que milhões de pessoas em França, Alemanha, Bélgica, Holanda, Itália e Espanha ficassem às escuras."

No site da UCTE:

30.01.2007 - UCTE releases detailed Final Report on the disturbances of 4 November 2006 with recommendations on standards, procedures, tools and rules

press release, presentation and report