Redes sem fios em Lisboa desprotegidas

Os números são interessantes mas provavelmente não contam com as redes mais seguras, que não propagam o ssid. Também classificar as redes como seguras/inseguras por usarem cifra é no mínimo simplista (redes protegidas com Wep são seguras?!). Traduzir "encriptadas" para "protegidas por códigos" deve ser gozo. Como qualquer dicionário de português pode esclarecer, encriptar significa "colocar numa cripta" (uma forma de funeral). Mas mesmo que fosse "cifradas", "protegidas por códigos" também está errado...


Lisboa: “hacker” diz que um terço das redes sem fios têm problemas de segurança
Público on-line, 04/06/2007

Um teste feito por um “hacker” profissional nas ruas de Lisboa mostrou que cerca de um terço das redes de acesso à internet sem fios (“wireless”) detectadas têm problemas de segurança, entre as quais a do Partido Socialista (PS). Nos cerca de 70 minutos que durou a viagem pela baixa de Lisboa, o director-geral da empresa de segurança informática SySS GmbH, Sebastian Schreiber, que fez os testes, encontrou 704 redes sem fios de acesso à Internet de empresas, famílias e hotéis.

Destas, Schreiber, um perito em intrusão de redes (“hacker”), diz que cerca de um terço apresentava níveis de segurança baixos.

Das redes que apresentavam vulnerabilidades ao nível da segurança dos conteúdos informáticos, estava uma identificada como sendo da sede do PS.

A Lusa tentou contar o PS para comentar esta situação, mas não foi possível obter qualquer informação.

Lisboa com nível médio de segurança

“Se as redes não estiverem encriptadas [protegidas por códigos], toda a gente pode ver a informação sem problemas”, explicou.

“Nestas condições, é possível ver o conteúdos dos “e-mails”, ter acesso às palavras passe e ao conteúdo das conversas tidas em 'chats'”, acrescentou.

Para o perito em segurança informática, Lisboa é uma cidade de “qualidade média”, quando comparada com outras cidades europeias em que já foi efectuado este tipo de análise.

De acordo com os dados apresentados por Sebastian Schreiber, Varsóvia é a cidade em que as redes sem fios apresentam menos deficiências de segurança, sendo que apenas 25 por cento das redes não está protegida, enquanto Belgrado é a cidade que apresenta piores resultados.

“Não estou surpreendido com o nível de segurança das redes, o que me surpreendeu foi a densidade dos pontos de acesso da cidade, que é muito elevada”, disse Sebastian Schreiber, acrescentando que “Lisboa é uma cidade cheia de pontos de acesso”.

Os dados recolhidos hoje serão compilados num mapa e apresentados amanhã, durante a 2ª edição do IT & Internet Security, um evento organizado pela empresa de consultadoria IDC, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.