Reduzir a pirataria informática aumenta o PIB?

Sim, segundo um estudo da Univ. Católica. Notícia no Público:

Cortar pirataria informática em 25% faria o PIB crescer 288 milhões por ano 
Público, 24.05.2012 - 12:39 Por João Pedro Pereira

Reduzir a taxa de pirataria informática em Portugal dos actuais 40% para 30% – um corte de 25% do total – teria um impacto positivo no PIB, ao longo de quatro anos, de 1150 milhões de euros, ou 0,6% do valor actual, estima a Universidade Católica.


Segundo as contas do estudo, que é apresentado nesta quinta-feira, este cenário hipotético de diminuição da pirataria em dez pontos percentuais permitiria ainda a criação de um pouco mais de mil empregos por ano e um aumento da receita fiscal na ordem de 320 milhões de euros no total dos quatro anos.

O relatório nota, porém, que o efeito não é linear e que os impactos na economia são mais ou menos sentidos consoante o nível de pirataria: num país com um nível já baixo, uma determinada redução tem um efeito menor do que num país onde a pirataria seja mais elevada. O mesmo é dizer que, por exemplo, um corte para metade na pirataria em Portugal não se traduziria no dobro do aumento do PIB ou da criação de emprego.

A investigação foi realizada pelo Centro de Estudos Aplicados da Universidade Católica, conduzida pelo investigador Ricardo Ferreira Reis e apoiada pela Microsoft. A Associação de Empresas do Software associou-se à divulgação do relatório.

Os 40% de pirataria informática indicados para Portugal (com base nos dados da Business Software Alliance, que agrega empresas do sector em todo o mundo) colocam o país em 15.º lugar na Europa, em 13.º entre os 27 da União Europeia e em 21.º na lista da OCDE. Em patamares próximos estão países como França, Eslováquia, Hungria e Malta. Estes números, observa o estudo da Universidade Católica, colocam Portugal “a meio da tabela dos países mais desenvolvidos, longe dos piores, mas ainda com um longo caminho a percorrer”.

No geral, porém, os investigadores desenham um retrato positivo. “Portugal apresenta uma taxa de pirataria melhor do que a situação geral do país em muitas outras dimensões” e chama a atenção para o efeito positivo de medidas como os programas de distribuição de computadores portáteis nas escolas, dado que estes, por um lado, já são entregues com software licenciado e, por outro, contribuem para uma abertura tecnológica da população, o que tende a ter um impacto positivo na redução do uso ilegal de software.

(...)