Programa PRISM

do Público:

"A Agência de Segurança Nacional (NSA) e o FBI têm tido acesso directo aos servidores de nove gigantes tecnológicos como a Microsoft, Google, Apple, YouTube ou Facebook. Acederam assim a informação e contactos dos utilizadores, segundo um documento secreto a que os jornais The Washington Post e The Guardian tiveram acesso.

O programa de recolha de dados, com o nome de código PRISM, começou em 2007, na Presidência Bush, e prosseguiu na Administração Obama.

As informações sobre o acesso aos servidores surge depois de divulgado o controlo pela Administração norte-americana de registos de milhares de chamadas da telefónica Verizon e revela novas práticas de vigilância dos Estados Unidos.

O programa secreto abrange nove importantes empresas tecnológicas – Microsoft, Yahoo, Google, Facebook, PalTalk, AOL, Skype, You Tube e Apple. O documento citado pelos dois diários indica que as empresas cooperaram no programa, o que é por elas negado.

O Guardian diz ter verificado a atenticidade do documento em que o PRISM é descrito. Trata-se, escreve o jornal, de Power Point de 41 slides usado para treinar operacionais dos serviços de espionagem.

“Os membros do Congresso que conheciam o programa estavam obrigados por juramento a não revelar a sua existência”, escreve o Washington Post. O PRISM “permite à NSA copiar o conteúdo dos emails, dos arquivos enviados e das conversas nos chats”, refere o Guardian. O Post diz que também áudios, vídeos e fotografias são elementos susceptíveis de serem investigados."

NSA Prism program taps in to user data of Apple, Google and others (Guardian)

NSA slides explain the PRISM data-collection program (Washington Post)