De volta ao Citius

No blog já apareceram diversas notícias sobre o Citius mas parece que desta é de vez: deixa de ser possível ignorar o estado lastimável de um sistema que é crítico para o funcionamento do país. O artigo mais interessante que vi sobre o assunto saiu no Observador. Um excerto:

"As bases do sistema informático onde são colocados os processos cíveis, de família e menores e algumas gravações e notificações dos processos-crime não nasceu por concurso público. Partiu da iniciativa de um grupo de oficiais de justiça curiosos, que por acaso sabiam programar. Na altura, nos finais dos anos 1990, o parto do sistema deu-se numa sala alugada pelo Ministério da Justiça em Coimbra. Foi ali que a equipa o batizou de “Citius/Habilis” e que o desenvolveu em Vbase 6, uma linguagem de programação entretanto caída em desuso."

Continuo sem perceber por que é que a Informática é a única profissão que pode ser exercida por "curiosos" :-(

Tribunais mudam mas não saem do mesmo Citius - Observador